Bárbara Maix

Natural de Viena, Áustria, filha de José Maix e Rosália Mauritz, nasceu no dia 27 de junho de 1818.

Registros históricos nos relatam que José Maix era funcionário público. No ano de 1782, encontramo-lo trabalhando como ajudante de cozinha junto ao príncipe Luis José Liechtenstein. Pouco tempo depois, em 1786, passa a ser funcionário no Palácio de Schönbrunn, na função de criado doméstico e depois camareiro do imperador Ferdinand.

As mortes na família Maix eram frequentes e a doença, contínua. Bárbara, a caçula de 09 filhos do segundo matrimônio, teve sua infância e adolescência marcadas por sequelas do tifo e privações, o que lhe causou debilidade orgânica.

Certamente, era muito duro para o pai, José Maix, trabalhar no palácio onde se realizavam muitas festas, com requintes e luxo, e ver os filhos morrerem, por não conseguir vencer com o fruto de seu trabalho. Morava na casa número um (1) dos empregados, ao lado do palácio.

Neste ambiente de contrastes, entre o luxo do palácio e a pobreza e a dor na família, a personalidade de Bárbara vai-se formando. Dos pais herda a fé cristã, o espírito de fortaleza e perseverança diante dos desafios. Desde a tenra idade e na juventude, capta a realidade que a cerca e já manifesta ânimo missionário e profético. Vai-se tornando audaciosa, destemida, a ponto de dirigir-se às autoridades do Império e da Igreja para alcançar seus objetivos. Vendo a situação social de desemprego e percebendo que o maior número de crianças nascidas era oriundo de mães solteiras, abre um pensionato visando à orientação e assistência a jovens desempregadas e empregadas domésticas, prevenindo-as da prostituição e demais desigualdades sociais.

Em torno da jovem Maix se reúnem outras jovens com espírito de oração e solidariedade. Com elas, inicia o Projeto das Irmãs do Imaculado Coração de Maria, inspirado no modo de ser das primeiras comunidades cristãs, desejando dedicar-se também à educação de crianças.

A situação sócio-político-cultural e religiosa de Viena e de toda a Europa era de tensão e conflito pela difusão das ideias liberais.  Durante a revolução de 1848, que tinha como base a Revolução Francesa, moveu-se uma verdadeira perseguição às Ordens Religiosas. As leis proibiam novas fundações e a entrada de novos membros. Essa situação fez com que Bárbara e suas 21 companheiras aceitassem a proposta de saírem do país.

As jovens pretendiam estabelecer-se na América do Norte, porém, enquanto aguardavam, no Porto de Hamburgo, um navio que as transportasse para lá, aportou o “Merk”, um mercantil, que tinha como destino o Brasil. Bárbara compreendeu ser esta “a vontade de Deus”. Partiram. Sobre a viagem, escreveu Madre Isabel: “Chegamos ao Rio de Janeiro, em novembro (09/11/1848), sem dinheiro, sem conhecimento de ninguém, sem saber a língua, com muita fome, mas cheias de confiança em Deus e em Nossa Senhora.”

Em 08 de maio de 1849, celebram, enfim, sua consagração religiosa e põem-se a serviço da população. Numa época em que a mulher não tinha participação social e acesso à Escola, Bárbara se fez educadora, permitindo o estudo às meninas. Atenta à realidade brasileira, com suas Irmãs, vai ao encontro das necessidades mais urgentes e passa a assumir Asilos onde acolhe órfãos e pobres e abre Pensionatos para jovens estudantes. Por ocasião das epidemias do cólera e febre amarela, bem como durante a Guerra do Paraguai, assume atividades em enfermarias e Hospitais.

Diante de uma sociedade que mantém o regime de escravidão, Bárbara não aceita que pessoas trabalhem em condição de escravas junto às Irmãs. Todas realizam os mesmos serviços e têm os mesmos direitos numa relação de igualdade e partilha.

As Ordens Religiosas eram de estilo contemplativo, viviam como em claustros. Bárbara apresenta uma inovação: uma forma de Vida Religiosa Consagrada com dinamismo missionário, que une fé e serviço social. Esse modelo de Vida Religiosa era novo para a Igreja e para o Estado.

Com perspicaz inteligência, abre novos caminhos, supera obstáculos. Discerne e posiciona-se com firmeza na defesa e promoção da vida, especialmente dos pobres. Quando sua fé e esperança são hostilizadas, não se confunde. Rejeitada e desprezada, segue confiante, certa de que “a Obra é de Deus”. Às contraposições ao espírito do Carisma e da Missão da Congregação responde: “… não creio que haja autoridade na terra que me possa obrigar a fazer coisa alguma contra minha consciência. Não somos escravas, Senhor Administrador. Somos livres pela misericórdia de Deus.” (B. Maix)

Madre Bárbara, pela sua firmeza na fé, esperança inabalável e amor misericordioso, superou muitas dificuldades: limites de saúde, falta de dinheiro, incompreensões, desprezo, perdas… Tudo viveu tendo o Imaculado Coração de Maria como “Mãe e modelo de todas as virtudes”, confiando-se à sua proteção e ajuda para, como Ela, seguir a estrada de Jesus, dando a vida para que outros a tivessem.

Faleceu no dia 17 de março de 1873, deixando como herança o grande exemplo de “perdoar sempre, com todo gosto e consolo do Coração” e o amor à Verdade.

 Algumas frases de Bárbara Maix:

  • “Dizei muitas vezes: Meu Jesus, aqui estou. Fazei de mim o que vos aprouver! outra coisa eu não quero a não ser cumprir a vossa Santíssima Vontade!” (03.04.1860)
  • “Maria, nossa Mãe, nos ajuda a cumprir nossa missão.” (1º.08.1868)
  • “Deus não permitirá que sejamos iludidas em nossa confiança.” (junho-1866)
  • “Assim como o corpo tão somente recebe o seu vigor, porte e beleza quando todos os membros prestam o seu auxilio mútuo, assim uma comunidade adquire a sua beleza, vigor e poder, somente quando o amor fraterno impulsiona os membros a doar-se mutuamente.” (14.10.1869)
  • “Depois de horas sombrias, vêm horas alegres.” (14.09.1871)
  • “A SS. Trindade iniciou a obra da fundação e há de completá-la. E porque é de Deus e não minha, não importa nada se ele deixa que tudo seja, aparentemente, aniquilado, porque em sua onipotência,com um só aceno, a reerguerá.” (19.02.1872)
  • Mostremos com nosso exemplo aquilo que com palavras ensinamos.” (1872)
  • “Ânimo, Coragem, Deus vê o nosso lutar!” (1872)

 A Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria  expandiu-se pelo Brasil e em mais 7 países: Argentina, Paraguai, Venezuela, Moçambique, Bolívia, Itália e Haiti. A sede geral da Congregação está estabelecida em Porto Alegre/RS. As Irmãs, juntamente com leigos, atuam nas áreas da: educação, pastoral, serviço social e ação missionária.

Beatificação e Canonização

 

Beatificação é a inclusão de alguém na lista dos Bem-aventurados! Assim reconhecidos porque amaram como Jesus amou (Mt 5, 3-12). Ele os proclamou Felizes! A Canonização é a inclusão na lista (cânone) dos santos, dos que viveram o Evangelho, heroicamente, e que são propostos como estímulo e apoio para a humanidade. Para isto é necessário um processo que se realiza em duas etapas, a primeira é a Beatificação. De acordo com as Normas de 1983, o processo já pode ser aberto cinco anos após a morte do(a) candidato(a). É necessário um certo controle, para evitar abusos e precipitações.

O bispo consulta o povo sobre “a vida, as virtudes e as obras” daquele que goza de “fama de santidade” e encaminha o pedido para a Santa Sé. Esta verifica se “nada consta contra ele(a)”, e autoriza a abertura do processo. A partir desse momento, o(a) candidato(a) recebe o título de SERVO(A) DE DEUS.

Os escritos do(a) servo(a) e a seu respeito e os depoimentos das testemunhas são compilados, lacrados e enviados a Roma, onde são analisados pelos peritos. Se o parecer for favorável, o(a) candidato(a) é declarado(a) VENERÁVEL.

A Igreja pede a apresentação de “um milagre”, comprovado, acontecido após a morte deste seu membro e alcançado através da sua intercessão.

Para os mártires basta provar que morreram pela Fé. Não se exige milagre, porque o derramamento do seu sangue vale por si.

A beatificação é celebrada em nível local e pode ser presidida por um delegado do Papa, como foi o caso da Bem-Aventurada Bárbara Maix.

Com a Canonização, o(a) Bem-Aventurado(a) é proclamado(a) “Santo(a)” e passa a ser cultuado(a) no mundo todo. Por isso, o Papa se reserva o poder de presidir esta celebração, que pode ser em Roma ou onde ele estiver.

 

Beatificação de Madre Bárbara Maix

 

barbara

“Ó Bárbara, bendita és tu,
Fiel serva do Senhor!
Anima nosso caminhar
Na esperança, fé e amor”
(Hino de Beatificação)

Madre Barbara Maix, conhecida também por seu nome Religioso, Maria Barbara da Santíssima Trindade, foi Beatificada em Porto Alegre/RS, aos 06 de novembro de 2010.

Para chegar a este acontecimento extraordinário, um longo caminho foi percorrido. Em 02.02.1993, a Congregação das Causas dos Santos, em Roma, informava ao Arcebispo de Porto Alegre, Dom Altamiro Rossato, que “Nada Obsta”, a que a dita Causa possa instruir-se, atendidas as “Normas que se devem observar nos inquéritos a fazer pelos Bispos”.

Em 19 de junho de 1993 – Festa do Imaculado Coração de Maria, foi realizada, em Porto Alegre (RS), a Sessão de Abertura do PROCESSO SOBRE A VIDA, VIRTUDES E FAMA DE SANTIDADE da Serva de Deus, Bárbara Maix. Tratando-se de um Processo Histórico, toda a documentação a seu respeito foi submetida a estudo por uma comissão de “Peritos em História Eclesiástica e Arquivística” e a exame por um Teólogo.

Em 17 de março de 1997, data do Aniversário da morte de Bárbara Maix, o processo foi aberto na Congregação das Causas dos Santos, em Roma. Em 03 de julho de 2008, o Papa Bento XVI autorizou a publicação do Decreto referente às virtudes heroicas de Bárbara Maix, que a partir da data passou a ser “Venerável” na Igreja. Durante esta fase, foi-se encaminhando também o processo sobre o presumido milagre, conforme as Normas.

PROCESSO SOBRE O MILAGRE

 

Para celebrar a Beatificação e a Canonização de um de seus membros, a Igreja pede a Deus que a confirme, selando a vida à obra dos Seus Servos. Os Milagres dão testemunho de que Jesus é Deus e só Ele os opera, confirmam os que creem e suscitam a fé de quem não crê.

O Processo sobre o PRESUMIDO MILAGRE da cura do menino Onorino Ecker foi instruído na Arquidiocese de Porto Alegre, de 13 de maio de 1997 a 21 de maio de 1998. Enviado a Roma, foi submetido a nova perícia. Trata-se de um caso de queimadura grave.

 

Untitled-2Em julho, inverno de 1944, em de Santa Lúcia do Piaí, Caxias do Sul, Onorino Ecker brincava com seus irmãos ao redor do fogo. O acidente aconteceu, derramando sobre ele uma panela de água fervente. Isto fez com que o garoto caísse sobre as brasas e respirasse também vapor e cinzas quentes. Motivados pela Irmã Dulcídia (Elisia) Granzotto, os familiares e a comunidade local uniram-se em oração, invocando a intercessão de Madre Bárbara Maix.

No espaço de 15 dias, Onorino estava completamente curado.

O processo sobre este fato constituiu o passo decisivo na etapa da Beatificação. Durante a Sessão da Consulta Médica, na Congregação das Causas dos Santos, realizada aos 13.11.2008, os médicos foram unânimes em reafirmar o caráter extraordinário desta cura, “totalmente excepcional, inexplicável com os atuais e modernos conhecimentos científicos”. Já no dia 22 de abril de 2009, o Congresso dos Teólogos reconheceu por unanimidade, ser MILAGRE a cura de Onorino, obtida pela intercessão da Venerável Serva de Deus, Bárbara Maix. Em 12.01.2010, na Sessão Ordinária dos Cardeais e Bispos, também reconheceram.

papaPela manhã do Sábado 27.03.2010, o Papa Bento XVI, em Audiência com Mons. Ângelo Amato, Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, autorizou-o a Promulgar o Decreto sobre o Milagre.

 Júbilo e Ação de Graças perpassam a Igreja, cada Irmã do Imaculado Coração de Maria e a Vida Religiosa Consagrada, visto que Bárbara Maix viveu as Virtudes Teologais e Cardinais de forma heroica, evangélica, no mais alto grau, sendo apresentada como modelo de vida e de virtudes cristãs para os tempos atuais.

Segundo Irmã Marlise Hendges, Diretora Geral da Congregação, a beatificação oportuniza a mais ampla divulgação do legado deixado pela Fundadora e “Será um revigoramento para toda a Congregação, levando-nos a buscar na fonte original a força dinamizadora para darmos continuidade a esta obra que, conforme Bárbara afirmou,“é de Deus”. À medida que a Congregação foi conhecendo mais a vida da Fundadora, sua missão, seus escritos, foi percebendo que não poderia reter esta riqueza de vida apenas para si. Era preciso que o seu exemplo fosse divulgado, para que outras pessoas pudessem se inspirar e perceber que a doação da vida, apesar dos sofrimentos, vale a pena e que leva à verdadeira realização”, afirmou.

Untitled-4Em Santa Lúcia do Piaí, distrito de Caxias do Sul, o povo diz: “Deus visitou nossa terra”! Tornou-se lugar de peregrinação, de visita ao monumento em memória desta maravilha operada por Deus, em 1944.

RECONHECIMENTO DOS RESTOS MORTAIS DE BÁRBARA MAIX

Aos 31.07.2009, o Sr. Arcebispo Dom Dadeus Grings enviou o pedido de Autorização à Congregação das Causas dos Santos, para proceder à abertura da Urna em que são guardados os restos mortais de Barbara Maix, a fim observar-lhes as condições em que se encontram, descrevê-los, tratá-los para conservação e reconhecer sua autenticidade.

Emanada a Instrução pela referida Congregação (08.09.2009), sob Protocolo nº 1868-30/09, Dom Dadeus constituiu o tribunal eclesiástico para tal procedimento. Aos 16.12.2009, realizou-se a 1ª Sessão do Reconhecimento dos Restos Mortais e extração das Relíquias.

Feita a adaptação do Relicário, aos 23.10.2010, procedeu-se, em 2ª Sessão, à Reposição da Urna que contém os ossos de Bárbara Maix, na Capela São Rafael, em Porto Alegre, Rua Riachuelo 508.

 

DATA E LOCAL DA BEATIFICAÇÃO:

Em 29.03.2010, o Arcebispo de Porto Alegre, Dom Dadeus Grings, enviou carta à Santa Sé, propondo que a Beatificação de Bárbara Maix fosse celebrada no Ano Jubilar da Arquidiocese.

No dia 11.05.2010, Ir. Marlise Hendges, Diretora Geral da Congregação e Ir. Gema Tonial, Secretária da SEC, obtiveram audiência com o Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Mons. Ângelo Amato.

Finalmente, para a imensa alegria que se propagou pelos diversos meios de comunicação, no dia 12 de maio de 2010, a Secretaria do Estado Vaticano confirmava a data da Beatificação de Bárbara Maix, a ser celebrada no dia 06.11.2010 – no Ginásio de Esportes “Gigantinho”, em Porto Alegre.

Untitled-7

 

CAPELA SÃO RAFAEL É ELEVADA A SANTUÁRIO

Em louvor a Deus e considerando o aumento do número de peregrinos à Capela São Rafael e à Relíquia da Bem-Aventurada Bárbara Maix, no dia 30 de novembro de 2010, S. Excia. Dom Dadeus Grings, Arcebispo da Arquidiocese, emitiu o Decreto de elevação da Capela à dignidade de Santuário. Celebrou-se este acontecimento com Solene Celebração Eucarística, no dia 06 de março de 2011.

Untitled-8 Untitled-9

Canonização de Barbara Maix
A ser proclamada SANTA 

 

A Igreja requer um milagre pela intercessão da Bem-Aventurada, acontecido após a Beatificação. Madre Bárbara será, então, canonizada, incluída no “cânone” ou lista dos santos e passará a ser cultuada em toda a Igreja.

Canonizar significa também reconhecer que a pessoa goza de uma predileção especial de Deus, devido à vida santa que levou na terra.

Após a beatificação de Madre Bárbara são milhares as pessoas que, em diversas localidades, rezam pela sua Canonização, procuram viver as virtudes cristãs de forma generosa como ela. Formam-se grupos de oração e de leigos que optam por viver o Carisma, Espiritualidade e Missão legados por ela. A relíquia da partícula dos seus ossos “ex ossibus” ou do tecido “ex indumentis” vem sendo solicitada para a ação pastoral, em várias paróquias, capelas, santuários, seminários, institutos… no Brasil e no Exterior.

A Bem-Aventurada Bárbara Maix vai-se tornando conhecida e amada, mesmo onde as suas Irmãs não se encontram. Isso acontece porque sua palavra e seu testemunho têm força de “ânimo, coragem” de manter viva a fé e a esperança, em qualquer situação da vida, como sempre dizia e viveu.

 

 

Oração à Bem-Aventurada Bárbara Maix

 

Deus, Pai de bondade e misericórdia, que escolhestes BÁRBARA MAIX para cumprir sempre e em tudo a Vossa Vontade, especialmente junto aos mais necessitados, concedei-nos, Vós que conheceis nossas esperanças e sofrimentos, a GRAÇA de que tanto precisamos… (pedido)

Pedimos, também, por intermédio do Imaculado Coração de Maria, a CANONIZAÇÃO de Vossa fiel serva, a Bem- Aventurada Bárbara Maix.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.

Imaculado Coração de Maria, rogai por nós!
Bem- Aventurada Bárbara Maix, rogai por nós.

 

Envie seu pedido de oração! Se receber graças por  intercessão de Bárbara Maix, comunique:
Sede Geral – Irmãs Imac. Coração de Maria
Rua Ramiro Barcelos, 1001
Bairro Independência
CEP: 90035-150
Porto Alegre – RS

 

Santuário São Rafael
Rua Riachuelo, 508
90010-272 – Porto Alegre/RS
E-mail: canonizacao@memorialbarbaramaix.com.br

 

Deixe seu comentário