Democracia, Justiça e paz Social – Direitos inalienáveis

 
 
 

“Assim diz o Senhor: Basta, príncipes de Israel! Afastai–vos da extorsão e da exploração; praticai o direito e a justiça; parai com as violências praticadas contra o meu povo e deixai de vos apossar do que pertence aos pobres” (cf. Ez 45,9).

             Nós, Irmãs do Imaculado Coração de Maria, comprometidas com a manifestação da Justiça e Profecia do Reino de Deus, na história, acompanhamos com apreensão e corresponsabilidade a grave crise social, econômica, política e institucional que vive o nosso País. Unimo-nos a todas as pessoas e instituições que, de forma ética e consciente, se colocam em defesa da Democracia, das conquistas e direitos sociais que, nas últimas décadas, têm possibilitado a redução das desigualdades sociais e a ascensão de mais 40 milhões de brasileiros e brasileiras a condições mais dignas de vida, através das políticas afirmativas e dos programas sociais.

           A Democracia que hoje temos, embora ainda de baixa intensidade, foi conquistada com muita luta e “sangue derramado”. Foram inúmeras as pessoas perseguidas, torturadas e martirizadas na luta contra a ditadura e na consolidação do Estado Democrático de Direito – hoje novamente ameaçado pelos interesses espúrios do capital e pelo abuso do poder de uma minoria dominante.

           A luta contra a corrupção é, sem dúvida, legítima, porém a mesma deve ser imparcial e não seletiva. Todos, independente de sigla partidária, classe social, gênero ou etnia, devem ser investigados e punidos, dentro dos parâmetros da legalidade e da justiça. No entanto, o que estamos presenciando nos processos em curso, é uma instrumentalização da crise econômica e social, uma ruptura constitucional, uma judicialização da política por meio de práticas ilegais de partidarização da justiça, em aliança com a grande Mídia que, na contraposição dos princípios éticos e democráticos, espetaculariza e distorce os fatos e polariza a sociedade, incitando o ódio, a intolerância e a violência.

       Neste grave momento do País, nossa vocação/missão de mulheres consagradas nos pede oração, diálogo, discernimento, participação e posicionamentos firmes e determinantes, em prol da Democracia, da Justiça e da Paz como direitos inalienáveis. Por isso, afirmamos que, pelo dinamismo do Evangelho, seguiremos somando forças, nas lutas e mobilizações populares, para que os direitos dos pobres, a defesa do bem comum, a ética na política, a Paz e a Justiça Social, estejam acima dos interesses partidários e de quaisquer outras corporações. Continuaremos atuando em prol de uma Reforma Política que garanta a cidadania ativa e a radicalização da Democracia em nosso País.

       Sob as bênçãos da Bem-Aventurada Bárbara Maix e de Nossa Senhora Aparecida, Mãe e Padroeira do povo brasileiro, confiamos a Deus este momento histórico e decisivo da nossa Pátria, na esperança de que o Direito e a Justiça prevaleçam.

                                                           Conselho Geral da Congregação das

Irmãs do Imaculado Coração de Maria

Texto elaborado por Irmã Eurides Alves de Oliveira, ICM – Socióloga

Deixe seu comentário