Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília, será criado Cardeal pelo Papa Francisco

 
 
 

No domingo, dia 09 de outubro, o Papa Francisco anunciou o nome dos 16 bispos e um padre que serão criados Cardeais da Igreja, durante consistório no próximo dia 19 de novembro. Entre os escolhidos está o brasileiro Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a CNBB.

Sérgio da Rocha tem 56 anos. Foi ordenado padre em 1984. Em 2001, foi nomeado bispo auxiliar de Fortaleza pelo Papa João Paulo II. Em 2007, foi nomeado arcebispo coadjutor de Teresina, Piauí, assumindo a liderança do governo pastoral local em 2008. Em 2011, o Papa Bento XVI o nomeou como arcebispo metropolitano de Brasília. Desde 2015 o arcebispo é o presidente da CNBB. Seu lema episcopal é: “Omnia in Caritate” (1Cor 16,14) – “Tudo na caridade”

Em entrevista à Rádio Vaticano, Dom Sérgio se disse surpreso por ter sido escolhido pelo Papa como Cardeal da Igreja.

“Ao contrário do que muita gente pensa, não é que eu já soubesse previamente por um comunicado. Foi uma surpresa, mas em primeiro, um sinal da bondade do Papa, da misericórdia de Deus no final do Ano Jubilar”.

Continuou:

“Eu estava fazendo uma visita pastoral missionária numa das paróquias aqui de Brasília – como eu tenho costume de fazer – numa região muito carente de Brasília, o recanto das Emas, na Paróquia de São José Operário, um povo tão querido e com situações tão desafiadoras. Eu estava ali iniciando a programação da visita, quando recebi a notícia de que o Papa tinha anunciado a criação dos novos cardeais. Claro que para mim, foi um sinal da misericórdia de Deus, mas também daquilo que deve ser a vida de quem se coloca a serviço da Igreja, seja como Bispo, no dia a dia, seja como Cardeal… isto é, no meio do nosso povo, como o Papa Francisco tanto tem insistido. Então tive a graça de receber a nomeação justamente no momento de presença numa comunidade mais carente, mas também num momento missionário, o que faz pensar que quem está a serviço da Igreja, especialmente um cardeal, não está recebendo uma honraria, mas deve viver isto com espírito de serviço”.

“Para mim é uma graça ter recebido esta notícia no meio dos pobres, mas também um chamado a ser cada vez mais servidor dos irmãos e irmãs que mais sofrem; ajudar a própria Igreja a vivenciar a sua missão no meio de gente tão sofrida. O Papa Francisco tem insistido com razão que toda a Igreja tem que ser missionária e misericordiosa e eu espero ser um colaborador para que a Igreja seja cada vez mais mãe misericordiosa, missionária, uma Igreja em saída ao encontro de todos, especialmente dos que mais sofrem”.

Dom Sérgio afirmou que sua ação como cardeal buscará seguir cada vez mais o exemplo do Papa Francisco.

“Primeiramente, procuro mesmo seguir o exemplo do Papa Francisco, gostaria de ser mais parecido com ele, que de fato, é para nós, um sinal da presença de Jesus, que é o pastor maior dentro do rebanho, que é a Igreja. Gostaria, sim, que Deus me desse a graça de cada vez mais imitar o Papa Francisco em suas virtudes, que tanto bem têm feito para a Igreja, sobretudo a sua simplicidade, a misericórdia, a presença fraterna junto de quem mais sofre, dos pobres, daqueles que não são amados, não são valorizados na sociedade. Tenho a graça de na minha história ter sempre convivido e compartilhado com o nosso povo de alegrias e dores nas comunidades mais carentes. Já pelas minhas origens, no interior de São Paulo, na zona rural, em situação não fácil, muito sofrida. Depois, mais tarde, como bispo, passei 11 anos no Nordeste e aprendi muito com a Igreja lá. Estando no meio dos mais pobres e mais sofredores, Deus foi me concedendo a graça de cultivar, cada vez mais, aquilo que o Papa tanto espera da Igreja hoje”.

Anuncio do Papa

“Com alegria, anuncio que sábado, 19 de novembro, na véspera do fechamento da Porta Santa da Misericórdia, realizarei um Consistório para nomear 13 novos cardeais, de cinco continentes. Sua proveniência, de 11 nações, expressa a universalidade da Igreja que anuncia e testemunha a Boa Nova da Misericórdia de Deus em todos os cantos da terra. A inclusão dos novos cardeais na diocese de Roma manifesta também a inseparável relação existente entre a Sé de Pedro e as Igrejas particulares ao redor do mundo”, disse o papa.

Serviço Pastoral

Aos membros do Colégio Cardinalício, o papa ainda decidiu unir dois arcebispos e um bispo, eméritos, que se destacaram em seu serviço pastoral, e um presbítero que deu claro testemunho cristão. “Eles representam muitos bispos e sacerdotes que em toda a Igreja edificam o povo de Deus, anunciando o amor misericordioso de Deus no cuidado cotidiano do rebanho do Senhor e na confissão de fé”, explicou Francisco.

São os novos cardeais:

Dom Mario Zenari, núncio apostólico Síria;

Dom Dieudonné Nzapalainga, C.S.Sp., arcebispo de Bangui (República Centro-africana);

Dom Carlos Osoro Sierra, arcebispo de Madri (Espanha);

Dom Sergio da Rocha, arcebispo de Brasília (Brasil);

Dom Blase J. Cupich, arcebispo de Chicago (EUA);

Dom Patrick D’Rozario, C.S.C., arcebispo de Daca (Bangladesh);

Dom Baltazar Enrique Porras Cardozo, arcebispo de Mérida (Venezuela);

Dom Jozef De Kesel, arcebispo de Malines-Bruxelas (Bélgica);

Dom Maurice Piat, arcebispo de Port Louis (Ilhas Maurício);

Dom Kevin Joseph Farrell, prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida (EUA);

Dom Carlos Aguiar Retes, arcebispo de Tlalnepantla (México);

Dom John Ribat, M.S.C., arcebispo de Port Moresby (Papua Nova Guiné);

Dom Joseph William Tobin, C.SS.R., arcebispo de Indianapolis (EUA).

Os arcebispos e bipo eméritos e o presbíteros escolhidos pelo papa são:

Dom Anthony Soter Fernandez, Arcebispo Emérito dei Kuala Lumpur (Malásia);

Dom Renato Corti, Arcebispo Emérito de Novara (Italia);

Dom Sebastian Koto Khoarai, O.M.I, Bispo Emérito de Mohale’s Hoek (Lesoto);

Padre Ernest Simoni, Presbítero da Arquidiocese de Shkodrë-Pult (Scutari – Albânia).

 

Deixe seu comentário