Igreja Católica reconhece Frei Salvador Pinzetta como “Venerável”

 
 
 

No mesmo decreto que autorizou a canonização da Bem-Aventurada Irmã Dulce Pontes, o Papa Francisco também reconheceu as virtudes heroicas Servo de Deus Salvador Pinzetta (1911-1972), religioso capuchinho, que nasceu e viveu no Rio Grande do Sul.

O reconhecimento das virtudes é a penúltima fase do processo de beatificação. Nesta etapa, o Vaticano reconheceu que frei Salvador viveu as virtudes cristãs em toda a sua vida. Neste caso específico, a Igreja confirma que o religioso viveu as virtudes em grau heroico, ou seja, em grau máximo. Vencida esta etapa, frei passa a ser chamado de Venerável Servo de Deus.

Hermínio Pinzetta nasceu no dia 27 de julho de 1911, em Casca, no Rio Grande do Sul. Ingressou na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em fevereiro de 1944 e recebeu o nome religioso de Frei Salvador de Casca. Sua Profissão Solene aconteceu no dia 6 de janeiro de 1949, em Flores da Cunha. Desempenhou suas funções nas cidades de Flores da Cunha e Garibaldi. Viveu como pensava: “Ser santo não é fazer milagres; é amar a Jesus de todo coração e entregar-se a Ele sem reservas; é crer firmemente em seu amor e fazer, só, unicamente e em tudo, a vontade de Deus”.

Frei Salvador faleceu no dia 31 de maio de 1972, vítima de um Acidente Vascular Cerebral. Contava com 61 anos e, pouco mais de 28 de vida religiosa. Morreu em fama de santidade e é ser lembrado pela simplicidade, fé e amor ao próximo.

Os esforços para canonizar o capuchinho foram iniciados em 1977, porém, a abertura oficial da causa aconteceu somente em 2011, na Diocese de Caxias do Sul. Vencida esta etapa, a Igreja pede a apresentação de um milagre, comprovado, acontecido após a morte e alcançado através da sua intercessão para que seja declarado beato ou Bem-aventurado, o último passo antes de ser chamado de Santo.

Com informações de freisalvador.com.br e Vatican News.

Por: Magnus Regis
comunicação@icm-sec.org.br

Deixe seu comentário