Irmã Maria Zeni do Nascimento (2003-2008)

Sem dúvida, a história é um entrelaçamento de eventos, experiências comprovadas no diário da vida. Escrevendo o cotidiano da Congregação, os acontecimentos cintilam mostrando a identidade de fidelidade ao Carisma. Nessa certeza, assume a Superiora Geral – Irmã Maria Zeni do Nascimento e escreve a relevância desse período histórico engravidado por tantos outros.

Solidárias na defesa da vida, em fidelidade ao Reino de Deus, nós, Irmãs do Imaculado Coração de Maria, visibilizamos o Projeto do XVII Capítulo Geral no sexênio 2003-2008, priorizando: a meta – o Reino de Deus; o sujeito da missão – o Pobre; a organização – em rede; as dimensões da Vida Religiosa Consagrada – Comunhão e Participação, Consagração e Missão Profética.
Discípula de Jesus, chamada a viver segundo o Espírito, a Congregação respondeu com coragem e ousadia profética aos desafios dos sujeitos emergentes, em fidelidade ao Projeto de Vida Religiosa Consagrada legado por Bárbara Maix. Fatos e experiências marcaram esse período. Destacamos alguns:
No cenário mundial, tensões sacudiram as velhas bases de organização da economia capitalista dominante e da economia planificada do leste europeu, desorganizando antigos sistemas de poder e de regulamentação do processo político e econômico mundial. Cresceram as desigualdades entre ricos e pobres, entre urbanos e rurais, entre províncias e grupos étnicos. 
Inseridas nesse contexto, sentimo-nos convocadas a intensificar a consciência crítica, a caminhar na fé e a viver a profecia enquanto testemunha dos valores evangélicos que nos desafiam a globalizar a solidariedade e a viver a justiça. 
No cenário eclesial, sobretudo Latino-Americano e Caribenho, intensificou-se o diálogo interreligioso e macroecumênico, tornando-se chave de leitura e critério de discernimento teológico e sócio-histórico. No discipulado missionário a serviço da vida, celebrou-se a V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe.
No cenário da Vida Religiosa Consagrada, cresceu a compreensão do que significa viver a consagração na perspectiva de uma nova história cósmica e o empenho por tornar-se cocriadora de vida e esperança, de relações de respeito, diálogo, inclusão, confiança, corresponsabilidade e interdependência. 
Necessidades emergentes interpelaram a vida religiosa consagrada a criar respostas proféticas, entre elas, a busca de dignidade da mulher no mundo e na Igreja; os gemidos da terra ferida; a sede de comunhão entre crentes de diferentes religiões; a angústia de milhões de migrantes e excluídos/as, de crianças e de mulheres vítimas do tráfico humano; o chamado do Espírito para as Congregações estabelecerem laços de reciprocidade com os leigos, para viver o mesmo carisma. 
No cenário da Vida e Missão da Congregação, fizemos convergir todas as nossas reflexões, buscas, decisões e ações na direção apontada pelo Projeto Capitular em resposta ao contexto no qual estamos inseridas. Contemplamos com alegria e gratidão a semeadura nos campos com suas espécies conhecidas e nomeadas, expressão da vitalidade que marcou esse período. 
Como Maria cantou, reconhecendo que em Deus estava a fonte do seu júbilo, experimentamos os frutos da colegialidade, entre eles:
    •     sentido de pertença e corresponsabilidade, no compromisso da efetivação do Projeto do XVII Capítulo Geral;
    •     abertura aos apelos do Espírito, investindo na organização do povo, desenvolvendo Projetos Solidários que favoreceram a inclusão, a promoção e a evangelização de sujeitos emergentes;
    •     realização da Análise Institucional da Congregação do qual decorreram muitas iniciativas, como a autoanálise e autogestão; a retomada e decisão coletiva dos objetivos, metas, prioridades, projetos e aplicação de recursos; o resgate da autoestima permitindo a cada Irmã e Comunidade assumir seu espaço, tempo, dons, experiências, como protagonista que vive e faz história em comunhão com outras pessoas;
    •     qualificação da espiritualidade integrada e integradora ao modo das primeiras Comunidades Cristãs, conforme Projeto de Vida Religiosa Consagrada de Bárbara Maix num discipulado de iguais;
    •     maior apropriação do método da Leitura Orante da Palavra de Deus e da vida, ressignificando a relação com Deus e suas criaturas;
    •     expansão da Congregação, abrindo-se a novas relações interculturais inclusivas;
    •     redobrado cuidado quanto à animação vocacional e ao acompanhamento sistemático de Aspirantes, Postulantes, Noviças, Junioristas e Irmãs;
    •     continuidade do Projeto “Obras e Comunidades a Manter”, em fidelidade à Missão;
    •     dinamização do Processo de Beatificação da Venerável Bárbara Maix da Santíssima Trindade, tornando-a mais conhecida e amada e desafiando-nos a qualificar a Missão;
    •     interação entre os Setores Formação, Educação, Saúde, Pastoral e Ação Social, estabelecendo a unidade, tecendo em conjunto a mesma Missão;
    •     inauguração do Memorial Bárbara Maix, espaço de preservação do itinerário profético vivenciado por Bárbara Maix e suas Companheiras e expressão do compromisso da Congregação em dar continuidade;
    •    realização do I Seminário Internacional da Missão das Irmãs do Imaculado Coração de Maria – I SIMICM – e do 1º Seminário Internacional das Irmãs ICM em Missão fora do Brasil;
    •     releitura da Constituição da Congregação assumida por todas as Comunidades;
    •     elaboração do Plano Global de Ação da Congregação em preparação ao XVIII Capítulo Geral Ordinário, com participação das Comunidades e Equipes;
    •     formação de Leigos e Leigas, Administradoras/es, Diretoras/es das Obras, fortalecendo a missão de profissionais que atuam em Obras da Sociedade Educação e Caridade;
    •     leigos e leigas se articulando como grupos específicos para melhor vivenciar a mística de Bárbara Maix;
    •     abertura a questões emergentes no atual cenário mundial expressa na presença solidária em organizações que defendem e promovem a vida; 
    •    articulação da vida e missão da Congregação pelo Conselho Geral, Conselhos Provinciais e Equipes, num clima de mútua ajuda;
    •    diversidade de publicações – livros, fascículos, subsídios – elaborados participativamente por equipes de Irmãs, dando maior visibilidade ao Carisma, Espiritualidade e Missão da Congregação.
Os frutos colhidos no sexênio atestam que a Congregação investiu na fonte donde brota a missão, nos sujeitos da missão e na organização da missão, crescendo na consciência de ser “portadora de um tesouro em vasos de barro” e de que a Obra que leva entre suas mãos, com tanto carinho e dedicação, não lhe pertence. 
Agradecidas pelo dom da Sabedoria que nos permitiu priorizar o essencial, como fermento de vitalidade e de novidade na manifestação do Reinado de Deus, concluímos o período nutrindo o desejo de trilhar novos caminhos, novas rotas, novas formas de viver a Consagração Religiosa em vista da Missão como mulheres “sãs”, “sábias” e “profetisas”, com o olhar fixo em Jesus a quem seguimos, deixando-nos fecundar pelo Espírito, como Maria, e pela ousadia profético-missionária, como Bárbara. 

Ir. Maria Zeni do Nascimento

Deixe seu comentário