Madre Maria do Santíssimo Sacramento (1959-1973)

Já disse o evangelista João, que o Espírito Santo sopra onde quer. Foi ventilada por esse sopro que Carmelinda Rossato olhou os prados congregacionais. Abrindo o cortinado do passado e acolhendo o sol no amanhecer centenário da Congregação, pisando firme no chão da esperança, assume dinamizar o Projeto gestado e alimentado por Bárbara Maix, como Superiora Geral – Madre Maria do Santíssimo Sacramento (1959-1973).
Foi uma pessoa de bondade imensa, humana, possuía um coração aberto ao diálogo. Cativava pela simplicidade, respeito às pessoas e pela capacidade de escuta. 
Foi muito sensível aos sinais dos tempos e respondeu aos apelos do Vaticano II que propunha renovar a Vida Religiosa, voltando às fontes, às origens. Empenhou-se para que o novo acontecesse na Congregação. 
Sua grande preocupação foi a de caminhar com a Igreja. Assim, desencadeou um processo de conscientização, comunhão, participação e de corresponsabilidade. Preocupou-se com as Irmãs para uma boa formação:  espiritual, cultural, aperfeiçoamento e atualização profissional. 
Durante seu governo, realizou-se a adaptação do hábito religioso; a recitação do oficio em latim passou para a língua portuguesa; as Irmãs deixaram de usar o nome religioso, optando pelo nome civil e foi reelaborada a Constituição. Podemos dizer que Madre Maria foi uma mulher muito corajosa em conduzir a Congregação no período pós-conciliar. Muitas Irmãs despertaram para uma maior alegria, esperança e renovação; a resistência como também, o abandono da Vida Religiosa por parte de um grande número de Irmãs.
Foi um tempo de inquietantes questionamentos. Um novo estilo de Vida Religiosa, mais coerente com o carisma fundacional, era necessário. Com coragem, muita oração, incessantes reuniões com grupos de Irmãs e várias sessões capitulares, num processo participativo, a Congregação foi tomando outra face: mais voltada ao essencial, mais aberta à realidade do mundo, mais consciente de sua missão evangelizadora.
Madre Maria orientou a Congregação para uma descentralização das responsabilidades. Para uma melhor formação religiosa de seus membros, transferiu os noviciados de Santa Maria, São Paulo e Lajeado para Porto Alegre, unificando-os. Criaram-se as Províncias de Caxias do Sul e Santa Cruz do Sul.
Dotada de grande zelo missionário, conseguiu fundar as primeiras comunidades da Congregação em regiões missionárias: Rio Grande do Norte, Bahia, Goiás e Mato Grosso. Deu-se, nessa época, o início da Pastoral Indígena e as primeiras comunidades inseridas em meios populares nas periferias das cidades.
Madre Maria continuou incentivando as pesquisas sobre a vida de Bárbara Maix, compiladas em um Documentário, publicado em 1972. Faleceu no dia 16 de setembro de 1989, em Porto Alegre, com a idade de 77 anos.

Deixe seu comentário