Irmãs doam alimentos e esperança para famílias de imigrantes haitianos

 
 
 

É impossível ficar inerte diante da agravada situação de vulnerabilidade social dos imigrantes, sobretudo neste tempo de pandemia. Em Encantado, no Rio Grande do Sul, as Irmãs do Imaculado Coração de Maria, comunidade Mãe de Jesus, se desdobram para evitar que a fome assole severamente os imigrantes haitianos que se estabeleceram na cidade.

A motivação já é muito conhecida: os haitianos se mudaram para o sul brasileiro em busca de melhores condições de vida para suas famílias. Superar a barreira do idioma e da cultura, a conquista da moradia e do emprego são algumas das dificuldades enfrentadas por eles/as. Para piorar, a pandemia aprofundou o sofrimento destes irmãos.

Sensíveis a essa dura realidade, as Irmãs ICM Ilda Richetti, Ester Pederiva, Idalina Tramontini e Zelina Franzosi unem forças com a comunidade e a Igreja local para promover gestos de proximidade, solidariedade e amparo. A comunidade ICM desenvolveu projeto social solidário “Eu era migrante e tu me acolheste”.

Na última semana, por exemplo, as Irmãs receberam alimentos doadas por grupos de casais da cidade. A comunidade ICM também complementou as doações e fez a entrega das cestas básicas para 10 famílias de imigrantes. As doações foram acolhidas com grande alegria e alívio por parte das famílias.

Irmã Ilda conta que a ação solidária já era realizada na cidade, porém, a pandemia agravou a dificuldade enfrentadas pelas famílias, fazendo com que as doações fossem realizadas de maneira ainda mais frequente. Para piorar, o volume de doações está cada menor, o que preocupa as Irmãs que acompanham estas famílias.

“Há muita gente necessitada e sem emprego. Eles nos procuram e pedem ajuda, alimentos, um apoio. Agora estamos em busca de doações de fraudas para as crianças. Além disso, a comunidade faz enxovais para serem doados aos bebês” disse a Irmã Ilda Richetti.

E não é apenas a doação de alimentos. Na assistência aos imigrantes, e como ação evangelizadora, as Irmãs doam tempo, escuta solidária e apoio:

“Prestamos também apoio na questão da saúde, os acompanhamos nas consultas nos hospitais, nos exames, no que precisam. Há um haitiano que foi internado em Lajeado. A esposa está de acompanhante e, por aqui, olhamos os filhos, vemos se estão precisando de algo, enfim… é um trabalho que não se esgota” finalizou Irmã Ilda.

A Comunidade Mãe de Jesus pertence à Província ICM Maria Mãe de Deus.


Por: Magnus Regis | comunicacao@icm-sec.org.br