Irmãs participam do 4º Sulão das Comunidades Eclesiais de Base

 
 
 

A 4º edição do “Sulão” das Comunidades Eclesiais de Base, o Sulão das CEBS, aconteceu nos dias 15 a 17 de novembro, em Canoas, na Arquidiocese de Porto Alegre/ RS e reuniu quase 400 participantes entre leigos (as), religiosas (os), lideranças e dos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O evento teve como tema: “Igreja da Base na perspectiva do Papa Francisco”. Um grupo de Irmãs do Imaculado Coração de Maria marcou presença no evento.

O Sulão das CEBS teve o objetivo de ser um espaço de partilha, reflexão, solidariedade e do fortalecimento mútuo das bandeiras de luta pela vida das comunidades e da vivência do Evangelho em todos os espaços, sobretudo onde a vida dos empobrecidos está ameaçada.

Missas, momentos celebrativos, caminhada dos mátires, oficinas e momento de plenárias estavam na programação do evento. Ao final do encontro, os participantes divulgaram uma carta às comunidades. Confira, abaixo, a íntegra:

CARTA ÀS COMUNIDADES
Ele está no meio de nós e nos move pela força criadora da Divina RUAH!

Sim, foi esta a forte experiência vivida no 4º SULÃO das Comunidades Eclesiais de Base, de 15 a 17 de novembro de 2019, na Rede de Comunidades Sagrado Coração de Jesus, em Canoas, Rio Grande do Sul, que nos acolheu e nos fez sentir parte de uma mesma família de irmãs e irmãos e onde o Irmão Antônio Cechin viveu sua inserção entre os mais pobres.

Em torno dos 400 participantes das Comunidades de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul se encontraram, refletiram e celebraram a morte e ressurreição da sua gente, em profunda comunhão com todos os povos da nossa América Latina e Caribenha, em marcha na defesa dos seus Direitos, que vem sofrendo grandes retrocessos. Também em comunhão muito afetuosa com o nosso Irmão e Pastor Francisco, o bispo de Roma, que nos preside na caridade, inspirador do tema deste encontro: IGREJA DA BASE NA PERSPECTIVA DO PAPA FRANCISCO.
Como já refletiam os movimentos populares no seu encontro com Francisco, em julho de 2015, na Bolívia, está crescendo cada vez mais a consciência de que este sistema é insuportável para a grande maioria da população e também para a nossa Irmã e Mãe Terra e precisa ser mudado.

O próprio Francisco, em sintonia com as lutas dos povos que ali eram partilhadas, renovadas e celebradas, sintetizou o caminho: “O futuro da humanidade não está unicamente nas mãos dos grandes dirigentes, das grandes potências e das elites. Está fundamentalmente nas mãos dos povos; na sua capacidade de se organizarem e também nas suas mãos que regem, com humildade e convicção, este processo de mudança. Atrevo-me a dizer que o futuro da humanidade está, em grande medida, nas vossas mãos, na vossa capacidade de vos organizar e promover alternativas criativas na busca diária dos “3 Ts” (trabalho, teto, terra), e também na vossa participação como protagonistas nos grandes processos de mudança nacionais, regionais e mundiais.”

Sim, se muitos são os retrocessos em relação aos Direitos e à Democracia que estão em curso, frutos do Capitalismo que impõe uma perversa sentença de morte para os pobres, muitos são os sinais de esperança de que as injustiças e a opressão podem ser superadas e um Outro Mundo é Possível e mesmo muito necessário.

Como COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE VERDADEIRAMENTE MISSIONÁRIAS, que saem ao encontro, sem medo de se enlamear para testemunhar a presença do Deus da Vida nas lutas do seu povo por seus Direitos, reafirmamos a nossa opção preferencial pelos pobres, dos jovens e de sermos uma Igreja em saída, samaritana, martirial, profética, sinodal, a serviço da justiça e da paz. Não deixaremos que nos roubem a esperança.

Somos parte desse Povo de Deus que se organiza em Comunidades de Base, que são o primeiro e fundamental nível eclesial e caminhamos no seguimento de Jesus de Nazaré, Sal, Luz e Fermento de transformação nas lutas contra o patriarcalismo, clericalismo e este sistema capitalista piramidal. Não deixaremos que nos roubem as Comunidades.

Reafirmamos, neste 4º SULÃO das CEBs, assinalando as nossas digitais numa camiseta de Mariele, os compromissos firmados durante o Concílio Vaticano II, especialmente no Pacto das Catacumbas, que foi renovado no Sínodo para a Amazônia, apontando novos caminhos que devem ser espraiados para toda a Igreja e para uma Ecologia Integral, comprometida com o Bem Viver, rumo à Terra Sem Males.

Cheios de esperança, assumimos os compromissos de investir num processo permanente de formação, a partir da Palavra e do Ensino Social da Igreja e do engajamento na defesa da Democracia e dos Direitos, compreendendo a política como uma das mais nobres formas do exercício da caridade e de construção do Bem Comum. Reforçamos principalmente o compromisso de fortalecer as organizações populares, valorizando especialmente o empoderamento dos povos originários, da juventude e das mulheres em todos os espaços da Igreja e da sociedade. Basta de feminicídio, basta de extermínio de jovens, basta de extermínio dos negros e indígenas.

Retornamos às Comunidades com muita disposição para seguirmos firmes na caminhada, sob as bênçãos de nossa Mãe Aparecida e dos/as nossos/as Mártires, em especial Sepé Tiarajú, cujo exemplos nos iluminam e orientam.

Canoas, 17 de novembro de 2019

Na celebração e compromisso com o Dia Mundial dos Pobres.

Deixe seu comentário