O 2º dia da assembleia plenária da União Internacional das Superioras Gerais

 
 
 
Por: Irmã Marlise Hendges,
Diretora Geral ICM
direto de Roma

Algumas pinceladas sobre o tema abordado no segundo dia da Plenária da União Internacional das Superioras Gerais, a UISG:

Semeadoras de Esperança Profética para o Planeta. A Responsabilidade da Vida Religiosa: uma Perspectiva Bíblica
Ir. Judette Gallares pautou sua explanação a partir de algumas perguntas:

⁃ o que podemos aprender dos profetas bíblicos sobre a Esperança e os contextos de sua Esperança?
⁃ Como entendemos essa Esperança no contexto dos textos da criação na Bíblia?
⁃ Quais são os elementos e características importantes da Esperança profética?
⁃ Oriundas da linhagem profética, como podemos nós, como Religiosas, viver nossa responsabilidade de sermos semeadoras de Esperança profética diante da severidade da realidade planetária de hoje?

Ir. Judette Gallares

O que as Escrituras dizem sobre a Esperança Profética?

a) Vocação Profética – 1. O profeta vê as coisas a partir da perspectiva de Deus; 2. O profeta é a consciência de uma comunidade e de uma nação; 3. O profeta anuncia sombras e tristeza sempre que a Comunidade é desobediente à Palavra de Deus e infiel à aliança de Deus, mas também prepara a comunidade para a renovação da aliança e para estar aberta a um futuro cheio de Esperança.

Então, o que é a Esperança profética e que elementos e características podemos extrair dos insights sobre como ela é percebida e vivida pelos profetas bíblicos?

b) Esperança Profética – Inerente à vocação profética está o ser um semeador de Esperança, estar engajado em ação profética que acabará por trazer uma restauração da fé e da vida. Os profetas bíblicos reúnem a crítica de seu tempo presente e a Esperança pelo significado e propósitos maiores de Deus.

c) Elementos e Características da Esperança Profética – A Esperança profética: está enraizado na contemplação e no misticismo; É uma Esperança crítica; Existe nas margens e está enraizada na solidariedade com os sofrimentos daqueles que estão nas margens; abrange a construção de significado nas comunidades de fé; A Esperança profética é textual.

Esperança profética dentro da estrutura dos Textos Bíblicos sobre a Criação
Tudo é criado a partir da abundância da sabedoria e do amor de Deus, e a criação nos convida a uma Aliança, exigindo de nós um compromisso e uma responsabilidade pela criação semelhante à do próprio Deus.

a) A Grande “Inclusão “ de Gênesis 1-3 e Apocalipse 20-22.
O tema da criação no início e no final da Bíblia é destacado como um elemento importante na interpretação de tudo o que ali se encontra. Interpretado desta maneira, a história da criação, do pecado e da Queda em Gênesis 1-3 e a redenção cósmica encarnada em Apocalipse 20-22, bem como a redenção cósmica da criação em Romanos 8,18-23, apresentam evidências convincentes para a expectativa cristã de que a redenção oferecida em Cristo implicará uma transformação, mas não a destruição, da existência física e material do universo.
A Esperança cristã é a Esperança profética para o futuro do nosso mundo e do nosso planeta, que é baseada no poder criativo, fiel e criador de Deus.


b) Redenção cósmica da criação em Romanos 8,18-25

Paulo em sua carta aos Romanos escreve que “Toda a criação está gemendo em dores de parto até agora “ (Rm 8,22). No cativeiro da decadência, a criação espera ser libertada para compartilhar a gloriosa liberdade dos filhos de Deus, que gemem enquanto esperam a redenção de seus corpos (Rm 8,18-25). Estas palavras de Paulo nos falam de Esperança profética que inspira e sustenta o cristão na caminhada para Deus.

Portanto, a necessidade de que a salvação venha de Deus e a necessidade de que os seres humanos assumam responsabilidade pelo bem-estar do mundo e do planeta são diretamente proporcionais – quanto maior nossa crença na salvação de Deus, maior é nossa obediência de fé ao reconhecer nossa responsabilidade ativa por toda a criação.

A responsabilidade da Vida Religiosa em semear esperança profética para o Planeta

A Vida Religiosa está situada hoje onde há um grande desafio para viver o apelo de ser semeadora de Esperança profética.

Paulo, na Primeira Carta aos Coríntios, afirma que Deus designou na Igreja primeiro os apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro lugar mestres (1 Cor 12,28). A Vida Consagrada pertence ao ramo dos profetas, portanto, os Religiosos são desafiados a fazer o que os profetas faziam.

As congregações religiosas, ao longo dos tempos deram testemunho de sua vocação profética a serviço da igreja e do mundo. Essa vocação profética precisa de renovação contínua para que não se torne rígida, obsoleta e irrelevante diante dos desafios de nossos tempos em rápida mudança.

Esta renovação envolve os seguintes movimentos:

⁃ Do arrependimento à conversão
⁃ Do centro para a periferia
⁃ Do pensamento crítico para a ação profética discernida
⁃ De uma comunidade humana exclusiva para uma comunidade planetária inclusiva da criação

Amar nosso próximo deve incluir fazer o que pudermos para permitir que nosso planeta sustente o florescimento de nossos semelhantes.

Deixe seu comentário