Província Guadalupe promoveu Assembleia e Conselho Plenário com a participação dos leigos ICM

 
 
 

Na vivência do Ano Capitular, as Irmãs do Imaculado Coração de Maria, inseridas na Província Nossa Senhora de Guadalupe participaram com alegria da Assembleia e Conselho Plenário da Província, em Hidrolândia, Goiás. Realizada entre os dias 08 e 11 de junho, o encontro foi um momento forte de comunhão com o Carisma e a Missão ICM.

A Assembleia e Conselho Plenário da Província Guadalupe foi histórica. O destaque e grande avanço foi a presença de duas leigas e um leigo que representaram os grupos ICM do norte e nordeste do Brasil. Este é um fato histórico na vida congregacional.

O encontro foi norteado pelo tema: “Irmãs do Imaculado Coração de Maria, em comunidades solidárias, enviadas a testemunhar a justiça e a profecia do Reino de Deus.” E como lema: “ saiamos…somos convocadas!”.

Foi um encontro festivo com a acolhida de cada Irmã que iam chegando, festa do encontro e celebração da vida em ritmo de aconchego e muita esperança de um caminho a percorrer.

Na abertura da assembleia, Irmã Maria Inês, coordenadora provincial, motivou cada Irmã enfatizando o lema que nos desafia a colocar-nos em saída.

O grupo trouxe os desejos para a realização do encontro e, motivados por eles, numa dança da vida que dá energia e sabedoria a cada uma, na partilha dos desejos que se tornam coletivos, esses desejos foram assumidos por todas.

Na mística inicial, a luz foi conduzindo a noite, iluminando o caminho escuro e não nos deixou tropeçar. Essa luz perpassa a vida de cada uma e nos torna luz.

No segundo dia, na parte da manhã, uma significativa análise de conjuntura provocou o grupo a um olhar crítico da realidade regional e nacional, tanto no âmbito social como eclesial.

Na parte da tarde, Ir. Rejane Paiva, com sabedoria de mulher astuta e ousada, fez grandes provocações, iluminando o tema e o lema para sairmos, pois “somos convocadas”.

Temos obrigação de sermos mulheres ousadas, justas e proféticas. A preocupação tem que ser com o anúncio do Reino de Deus. Há muitos tipos de saída: sair de onde? Quais os tipos de saída a que somos interpeladas? Qual a saída que me incomoda mais? O Nosso maior desafio é de sairmos de uma cultura formatada. Por isso, a maior itinerância que somos desafiadas a fazer é a itinerância cultural que mexe nas estruturas pessoais e congregacionais.

“Estamos muito acostumadas a colocar pontos finais. É importante sabermos usar as reticências, pois na vida tudo é inacabado”.

Por: Irmã Roselei Bertoldo

Deixe seu comentário