Religiosos/as reafirmam compromisso contra o Tráfico de Pessoas no II Nordestão da Rede Um Grito Pela Vida

 
 
 

No nordeste brasileiro, a Vida Religiosa Consagrada reforça o compromisso contra o Tráfico de Pessoas. Ente os dias 12 e 14 de junho, o II Nordestão da Rede Um Grito Pela Vida reuniu mais de 60 religiosos e religiosas na cidade de Caucaia, no Ceará.

O encontro foi uma oportunidade de convivência, partilha das ações realizadas pelos regionais e núcleos da Rede, bem como qualificar ainda mais as atividades que serão realizadas. Participaram religiosos dos estados da Bahia, Sergipe, Pernambuco, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte e do Ceará.

O encontro foi assessorado por Jaqueline Leite, Coordenadora Geral do Chame – Centro Humanitário de Apoio à Mulher. Foi realizada uma análise sociológica da cruel realidade do tráfico de pessoas em nível nacional e internacional.

“Aprender a escutar a dor do outro. Animar-se e fortalecer nossa atuação em rede” destaca mensagem publicada no blog da Rede.

A Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria marcou presença no II Nordestão da Rede. Participaram as Irmãs: Maria de Fátima Santos, Alberlândia Barros, Adelia Rockenbach e Janete Silva.

II Nordestão da Rede Um grito Pela Vida  - Irmãs do Imaculado Coração de Maria

Rede Um Grito Pela Vida – A Rede “Um Grito pela Vida” é Intercongregacional. Constituída religiosas/os de diversas Regionais e Congregações. Um espaço de articulação e ação profético-solidária da Vida Religiosa Consagrada do Brasil na causa do enfrentamento ao Tráfico Humano. Desde 2006, como parte constitutiva da CRB Nacional, atua de forma descentralizada e articulada com as organizações e iniciativas afins, nas diversas localidades, Estados e Municípios. Integra a Talitha kum – Rede internacional da Vida Religiosa Consagrada.

Saiba Mais:

Província Nossa Senhora de Guadalupe
Brasil: Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Paraná, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, São Paulo e Tocantins
Países: Bolívia, Haiti e Venezuela

Deixe seu comentário