Tráfico de Pessoas: Ir. Eurides Alves de Oliveira destaca que meninas e jovens são principais vítimas

Irmã Eurides Alves de Oliveira  coordena a Rede Um Grito Pela Vida
 
 
 
Irmã Eurides Alves de Oliveira coordena a Rede Um Grito Pela Vida

O Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas é celebrado neste 30 de julho. A data lança o alerta sobre a o aliciamento de pessoas fins de trabalho escravo, exploração sexual, tráfico de órgãos ou adoção ilegal. Crianças, adolescentes e mulheres são as vítimas preferenciais desta ‘escravidão moderna’. Estima-se que o tráfico humano vitima 4 milhões de pessoas em todo o mundo, gerando lucro de 7 a 10 bilhões de dólares – dinheiro marcado pela privação de liberdade, ameaças, sofrimento, sangue e mortes.

O Tráfico de Pessoas foi tema de reportagem do programa brasileiro da Rádio Vaticano. Em entrevista, a Irmã Eurides Alves de Oliveira, religiosa da Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria e coordenadora nacional da Rede Intercongregacional Um Grito Pela Vida, destacou que, no contexto geral, as mulheres são as vítimas preferencias das redes internacionais de tráfico. As estatísticas apontam que o Brasil é o responsável por 15% dos casos de tráfico internacional de mulheres, em sua maioria, para a exploração sexual, através da prostituição.

logo rede um grito pela vidaJá na realidade brasileira, as meninas ocupam a preferencia dos aliciadores e traficantes: “No tráfico interno temos variações. O grande número também são mulheres, mas, meninas. No tráfico interno, que ocorre dentro do país, entre estados, entre o interior e a cidade, o grande numero é de crianças e adolescentes , e neste foco, as meninas são as mais vitimadas” disse Irmã Eurides.

A Coordenadora da Rede Um Grito Pela Vida disse que o grande ganho dos últimos anos foi o de que o tema do Tráfico de Pessoas está sendo discutido pela sociedade: “O grande avanço que tivemos foi que o tema entrou em pauta. A sociedade está mais informada e atenta aos fatos e com isso tem crescido o numero de denuncias”.

No entanto, Irmã Eurides afirmou que a morosidade do Estado em apurar os casos, bem como a falta de ações efetivas de políticas de Estado prejudicam a causa: “há uma politica de governo e não de Estado, o que fragmenta a luta da causa” finalizou.

A REDE UM GRITO PELA VIDA – A Rede “Um Grito pela Vida” é Intercongregacional. Constituída religiosas/os de diversos congregações presentes no Brasil. Trata-se de um espaço de articulação e ação profético-solidária da Vida Religiosa Consagrada do Brasil na causa do enfrentamento ao Tráfico Humano. Desde 2006, como parte constitutiva da Conferência dos Religiosos do Brasil, a CRB Nacional, atua em regionais e articulada com as organizações e iniciativas afins. A Rede integra a Talitha kum – Rede internacional da Vida Religiosa Consagrada de enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

A Congregação das Irmãs do Imaculado Coração Maria participa da Rede desde a sua fundação.

Clique Aqui e confira o áudio da matéria no site da Rádio Vaticano.

Confira ainda:

Por: Magnus Regis
comunicacao@icm-sec.org.br

Deixe seu comentário